HISTÓRICO DAS ARTES MARCIAIS

Neste item serão abordados os diferentes momentos da história do desenvolvimento das artes marciais e suas ramificações antes da existência oficializada do caratê. Isso se dará com base nos trabalhos de GONZALEZ (1985), MUSASHI (1984), LUBES (1991), NATALI (1981), HISAMOTO, DUNCAN.



ORIGEM DAS ARTES MARCIAIS



Todas as artes marciais que se conhece atualmente, pode-se dizer, resumidamente, que tiveram a mesma origem, ou seja, há cerca de dois ou três mil anos. Dessa maneira, não se sabe exatamente quando se originou essa filosofia. Sabe-se que, na Índia, monges em seus mosteiros levavam uma vida de muita oração e meditação. Seu cotidiano era sempre o mesmo: levantar cedo, orar, trabalhar, orar, dormir cedo. Assim, imaginava-se que estavam em sintonia com a natureza e o universo. Porém, esse cotidiano era seguido de pouco rendimento, muita sonolência, entre outros problemas. Por esse motivo, alguns desses monges começaram a observar que na natureza os animais também seguiam um ritual semelhante e, ao contrário dos monges, eles eram vigorosos e fortes. Os monges passaram, então, a aplicar sua forte capacidade para estudar e direcionaram-na para obter conclusões de como os animais eram tão bem sucedidos e de como os monges poderiam também tornarem-se vigorosos e fortes. Esse foi o ponto inicial do surgimento das artes marciais. Conforme GONZALEZ (1985), a observação à natureza resultou em exercícios que imitavam os animais, como os tigres, leopardos, víboras, etc.. Tais exercícios não eram necessariamente resultantes de uso de força ou de violência, mas também exercícios suaves e de meditação, pois, segundo a filosofia dos monges, o corpo e a alma são um todo inseparável. Para se atingir o estado de "iluminação", os exercícios eram adequados para o corpo que abriga a alma. A aplicação de tudo isso resultou num significativo aumento de desempenho dos monges. Devido ao grande êxito conseguido esses conhecimentos começaram a se espalhar. E, por volta dos anos 300 d.C., passaram a ser dispersados por toda a China, onde efetivamente foram seguidos e aperfeiçoados. A China é um país muito grande, com muita diversidade geográfica e climática. Por isso os ensinamentos comuns oriundos da Índia, começaram a ser adaptados em função dessas condições geográficas, climáticas e culturais. Esse foi o ponto inicial do surgimento dos vários tipos de artes marciais que se conhece atualmente. Para exemplificar essa questão pode-se pensar na parte sul da China, onde há grandes rios, e havia dedicação maior à pesca e ao cultivo de arroz. Essas atividades acabaram por determinar um desenvolvimento maior da parte superior do corpo, facilitando a criação de técnicas de combate usando braços e cabeça. Outro exemplo pode ser visto na parte norte, com grandes desertos e por isso com grande necessidade de transporte. Isso promoveu um desenvolvimento da parte inferior do corpo. Surgiram assim, desde então, diversas escolas de ensinamentos dessa arte, cada uma com características próprias, muitas delas usando armas disponíveis na época, como espadas, cordas, bastões, tonfa (instrumento de defesa e ataque, feito de madeira ou borracha rígida, usado, hoje, pela polícia de diversos países), entre muitas outras. Depois disso, passa-se a um desenvolvimento significativo das artes marciais entre os anos 400 e 520 d.C.. Não só condições regionais eram diferenciais, mas até em uma mesma região podia-se encontrar alguns mestres que introduziam diferenças pessoais. Um ponto a se destacar é que, nesse estágio, essas artes marciais já eram utilizadas para combate, defesa pessoal, etc. Em especial os combates, no quais rebeldes que dominavam essas artes se tornavam ameaças para as dinastias, uma vez que se participassem de rebeliões o controle pelos monarcas seria difícil. Após 1470 d.C., quando todas as armas disponíveis foram confiscadas e proibidas de serem utilizadas na China, houve um desenvolvimento acentuado das técnicas que usam as mãos, os pés e outras partes do corpo. Além disso, a opressão das populações pelas diversas dinastias transformou o treinamento nessas artes marciais na única forma de sobrevivência. E, é nesse ponto que nasce a arte marcial das mãos vazias, como forma de defesa pessoal. Essa se espalha, entre outras, pelas regiões:

 

630 d.C.: Mongólia;
750 d.C.: Coréia;
800 d.C.: Birmânia e Japão;
850 d.C.: Tailândia;
900 d.C.: Camboja;
1200 d.C.: Taiwan;
1300 d.C.: Okinawa;